Sonhando com corrida de rua

Você já sonhou que estava em uma corrida de rua?

A Corrida de Rua é uma paixão. Eu já disse isso aqui no blog Loucos que Correm. Não há como explicar, com tamanha intensidade, o que sinto quando participo de uma corrida. O mundo, simplesmente, parece resumir-se àqueles quilômetros de ruas, avenidas e estradas. Simples assim!

Há alguns anos, senti fortes dores lombares, seguidas de “fisgadas” nas pernas, que chegavam até os pés. Isso acontecia, principalmente, quando estava sentado. Senti que esses “reflexos” deviam ser neurológicos e procurei um médico neurologista. Fui diagnosticado com duas hérnias de disco entre as vértebras L4-L5 e L5-S1. O medo de não poder mais participar das corridas foi aliviado quando o médico me disse para continuar correndo, praticando exercícios, com exceção daqueles com peso que sobrecarregassem a coluna. Ufa!!! Algumas sessões de fisioterapia e medicamentos anti-inflamatórios logo me colocaram de volta na ativa.

No entanto, há alguns meses, voltei a sentir dores na lombar, acompanhadas de dores na parte posterior da coxa esquerda. Para falar a verdade, o que mais me incomodava era a perna. Foi ela que me tirou do último treino, realizado no dia 20 de agosto de 2017.

Lá se foram quase 5 meses em que as corridas foram substituídas por consultas ao ortopedista, exames de ressonância magnética, 20 sessões de fisioterapia e inúmeras sessões com um fisioterapeuta osteopata. As dores diminuíram cerca de 50%, mas ainda estou afastado. Agora também com uma fratura no dedinho do pé esquerdo; um presente de ano novo, no dia 1º de janeiro de 2018, numa trombada com o sofá da sala.

Ah…, só para esclarecer, antes que alguns pensem que correr é perigoso para a coluna, segundo os especialistas que me examinaram, meu problema na coluna é fruto de uma retificação (coluna reta, sem a curvatura ideal), que aumenta a compressão dos discos intervertebrais. A causa não é a corrida, mas a má postura, horas sentado e, quem sabe, um “defeito genético” (já que algumas pessoas da família também apresentam problemas na coluna).

Por hora, sigo afastado.

Já perdi a conta de quantas vezes sonhei que estava correndo. Ora participando de treinos com a Turma da Corrida, ora “voando” em uma corrida de rua.

Ainda não sei quando voltarei, mas penso nisso todos os dias.

Esse post não é um lamento, muito menos um pedido de compaixão.

Minha intensão é reforçar meu compromisso com essa paixão que é a corrida de rua. Eu vou voltar. Não sei quando, não sei como, mas eu voltarei. Amigos corredores de 50, 60, 70 anos nos servem de inspiração e nos mostram que a vida ainda tem muito para nós.

Que os obstáculos apenas reforcem a certeza do quanto vale a pena lutar!

Meu nome é Fabio Frasson. Tenho orgulho de ser um Louco que Corre!!! (mesmo que, por enquanto, só nos sonhos. rsss)

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>